Fracassei Nas Minhas Decisões, Diz a Sociedade

Ultimamente a minha vida sofreu mais uma volta de 180.º. Numa parte de mim, sinto que fracassei.

Vi-me numa posição em que precisava de fazer uma escolha que iria afetar o meu futuro em grande escala. Após ponderar muito e ouvir as opiniões dos meus familiares e dos meus amigos mais próximos, acabei por decidir o que na altura eu via como sendo o melhor para mim.

Não é que eu me arrependa — pois, não estou arrependido. No entanto, foi uma das escolhas mais difíceis que tive de tomar, em relação ao meu futuro.

Fracassei pelos olhos da sociedade

Sentir que Fracassei

Eu estava num curso profissional de um ano (no qual ingressei, um pouco por obrigações da vida, por isso não era na área que eu gostava). Assim, quando ingressei no meu estágio, apercebi-me de que desempenhar aquelas funções, não era, de todo, aquilo que eu queria para o meu futuro — e até era algo que realizei não ser capaz de fazer.

Acredito que sou uma pessoa criativa, e penso que, tal como todos os que são criativos, há sempre aquele sentimento de ser postos de parte por uma sociedade mais retrógrada. Deva-se isso ao fugir das regras da sociedade, ou, à prosseguição dos nossos sonhos. Sim, porque todas as pessoas têm sonhos, mas torná-los em objetivos concretos, especialmente neste país, é considerado algo sobrenatural.

Será mesmo um fracasso se queremos ser os nossos próprios patrões, ou se trabalhamos melhor sem horários fixos? O grande potencial de ser um criador independente é conseguir influenciar pessoas e criar os nossos próprios conteúdos, sejam eles quais forem.

O que identifico como sendo fracasso nesta experiência, é a partir do ponto de vista da sociedade. Penso que falo por todos quando digo que sei que o dinheiro não cai do céu. É essa a grande razão das pessoas não alcançarem os seus sonhos, nem de lutar por eles. É difícil, demora tempo, não é convencional e pode não resultar. Mas e se resultar?

Não fracassei, estou no caminho certo.

Fugir à Regra da Sociedade

Um emprego numa caixa de supermercado é muito mais bem-visto que uma carreira freelancer, por exemplo. Então como quase ninguém entende aquilo que pretendo alcançar, opto por nem o revelar.

Foi por isso que, durante várias vezes, senti que fracassei. Pensei ainda que as minhas decisões tinham sido as erradas. Todavia, não foram. E sei disso. Elas foram sim, as escolhas erradas, no ponto de vista das outras pessoas. Infelizmente, deixei que isso me afetasse.

Aquilo que quero para o meu futuro ainda é muito incerto, mas vou lutar por isso. Adoro escrita, e isso foi algo que se tornou ainda mais claro ao longo deste curso (com a realização de relatórios, etc). Também adoro tecnologia e cinema. É isso tudo que quero juntar aqui, n’O Alfazema.

Contudo, O Alfazema não é o meu objetivo primário. O objetivo que mais almejo alcançar, por enquanto é a escrita. Como ainda sou bastante jovem, ainda tenho longos caminhos por percorrer. Seja a estudar ou a investir na minha carreira, uma coisa é certa: eu não vou desistir.

Decerto que existem pessoas em situações semelhantes, ou que já passaram por algo assim. Espero que este artigo vos influencie a soltar o vosso lado criativo e independente. Já sabem que me podem seguir no meu Instagram e conseguem entrar em contacto comigo por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo